quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

[INFORMAÇÃO] Novo nome da graduação em informática


O curso de informática está passando por sensíveis mudanças, a mais clara é a do seu nome, que antes era: TPD - Tecnólogia em Processamento de Dados, para: TADS - Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Caro(a) aluno(a), No dia 01 de outubro de 2009, foi publicada no D.O.U a Portaria nº 281, de 29 de setembro de 2009, aditando o ato autorizativo do Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados para Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Os Critérios para adesão ao curso estão estabelecidos na Portaria nº 1, do Conselho de Ensino desta Instituição, disponível a seguir.

Clique aqui para ver o Aditamento
Clique aqui para ver a Portaria

Segundo consta na portaria, todos os alunos a partir de 2009/I, já estão enquadrados no TADS, enquanto os que são anteriores (alunos matriculados e que estão em curso desde antes de 2009/I) podem manifestar sua vontade de adesão ao TADS na ocasião da matrícula acadêmica online de 2010/I e passa para a grade de TADS, fazendo as matérias da grade;
Quem reabre a matrícula já está enquadrado na nova grade de TADS;
Aluno anterior a 2009/I que não fizer a escolha, concluindo a antiga grade, ao final do curso receberá o diploma de TPD e não poderá mudar sua opção.

Para dirimir quaisquer dúvidas, entre em contato através do “Fale com seu Coordenador”.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

[INFORMAÇÃO] O que pode acontecer ao MySQL?


A atual situ­a­ção do MySQL vem me pre­o­cu­pando pro­fun­da­mente. Com a aqui­si­ção pela Ora­cle enga­ti­lhada para acon­te­cer, o futuro do MySQL parece incerto e, vamos admi­tir, algo de muito ruim pode acon­te­cer com milha­res de apli­ca­ções pelo mundo inteiro que usam o banco de dados da Sun.

Venho acom­pa­nhando fre­quen­te­mente o desen­vol­vi­mento do Mari­aDB, preparando-me para pos­sí­veis alter­na­ti­vas ao MySQL e, por esse motivo, estou sem­pre de olho no blog do Michael “Monty” Widenius,que criou o MySQL. Ele, agora, pede ajuda, num texto inti­tu­lado “Ajude a sal­var o MySQL” e eu tam­bém peço que o máximo pos­sí­vel de pes­soas dê uma força.

Publico aqui, na ínte­gra, o texto. Peço que me des­cul­pem por não traduzi-lo, mas trata-se de um post bas­tante extenso. Aque­les que não tive­rem muita fami­li­a­ri­dade com o inglês, não desa­ni­mem, leia a ver­são tra­du­zida pelo goo­gle (sei que não é uma boa tra­du­ção, mas é melhor do que nada).

Não dá pra ficar parado, não é? Mande seu e-mail, repro­duza esse texto, encha o saco da sua lista de contatos.



Convém, é claro, esclarecer algumas coisas: Se Monty quisesse, poderia, simplesmente, abandonar o MySQL e investir seus esforços e o de sua equipe no MariaDB (que é o fork melhorado do MySQL). As intenções por trás disso, provavelmente, são financeiras, posto que a compra pela Oracle pode significar o fim do MySQL e, consequentemente, a morte da galinha dos ovos de ouro de Monty. O fork, que é 100% livre e free, não traria nenhum benefício financeiro.
Além disso, há um ano, Monty concordou em vender o MySQL para a Sun, lembram-se? Não é justo reclamar agora, depois do cheque compensado e do dinheiro na conta.
Não sou contra a aquisição do MySQL pela Oracle, na verdade, espero que a Oracle compre, mas gostaria de ter assegurado o desenvolvimento do software, bem como a abertura de todo o código, sem inclusão de “partes fechadas”.




I, Michael “Monty” Wide­nius, the cre­a­tor of MySQL, is asking you urgen­tly to help save MySQL from Oracle’s clut­ches. Without your imme­di­ate help Ora­cle might get to own MySQL any day now. By wri­ting to the Euro­pean Com­mis­sion (EC) you can sup­port this cause and help secure the future deve­lop­ment of the pro­duct MySQL as an Open Source project.

What this text is about:
– Sum­mary of what is hap­pe­ning
– What Ora­cle has not pro­mi­sed
– Ora­cles past beha­vior with Open Source
– Help spread this infor­ma­tion (Jump to ‘What I want to ask you to do’)
– Exam­ple of email to send to the com­mis­sion (Jump to ‘send this to:’)

I have spent the last 27 years cre­a­ting and wor­king on MySQL and I hope, together with my team of MySQL core deve­lo­pers, to work on it for many more years.

Ora­cle is trying to buy Sun, and since Sun bought MySQL last year, Ora­cle would then own MySQL. With your sup­port, there is a good chance that the EC (from which Ora­cle needs appro­val) could pre­vent this from hap­pe­ning or demand Ora­cle to change the terms for MySQL or give other gua­ran­tees to the users. Without your sup­port, it might not. The EC is our last big hope now because the US govern­ment appro­ved the deal while Europe is still wor­ried about the effects.

Ins­tead of just wor­king out this with the EC and agree on appro­pri­ate reme­dies to cor­rect the situ­a­tion, Ora­cle has ins­tead con­tac­ted hun­dreds of their big cus­to­mers and asked them to write to the EC and require uncon­di­ti­o­nal accep­tance of the deal. Accor­ding to what I been told, Ora­cle has pro­mi­sed to the cus­to­mers, among other things, that “they will put more money into MySQL deve­lop­ment than what Sun did” and that “if they would ever aban­don MYSQL, a fork will appear and take care of things”.

Howe­ver just put­ting money into deve­lop­ment is not proof that anything use­ful will ever be deli­ve­red or that MySQL will con­ti­nue to be a com­pe­ti­tive force in the mar­ket as it’s now.

As I alre­ady blog­ged before, a fork is not enough to keep MySQL alive for all future, if Ora­cle, as the copy­right hol­der of MySQL, would at any point decide that they should kill MySQL or make parts of MySQL clo­sed source.

Ora­cle claims that it would take good care of MySQL but let’s face the facts: Unlike ten years ago, when MySQL was mos­tly just used for the web, it has become very func­ti­o­nal, sca­la­ble and cre­di­ble. Now it’s used in many of the world’s lar­gest com­pa­nies and they use it for an incre­a­sing num­ber of pur­po­ses. This not only sca­res but actu­ally hurts Ora­cle every day. Ora­cle have to lower pri­ces all the time to com­pete with MySQL when com­pa­nies start new pro­jects. Some com­pa­nies even migrate exis­ting pro­jects from Ora­cle to MySQL to save money. Of course Ora­cle has a lot more fea­tu­res, but MySQL can alre­ady do a lot of things for which Ora­cle is often used and helps peo­ple save a lot of money. Over time MySQL can do to Ora­cle what the ori­gi­nally belit­tled Linux did to com­mer­cial Unix (roughly speaking).

So I just don’t buy it that Ora­cle will be a good home for MySQL. A weak MySQL is worth about one bil­lion dol­lars per year to Ora­cle, maybe more. A strong MySQL could never gene­rate enough income for Ora­cle that they would want to can­ni­ba­lize their real cash cow. I don’t think any com­pany has ever done anything like that. That’s why the EC is skep­tic and for­ma­li­zed its objec­ti­ons about a month ago.

Richard Stall­man agrees that it’s very impor­tant which com­pany owns MySQL, that Ora­cle should not be allowed to buy it under pre­sent terms and that it can’t just be taken care of by a com­mu­nity of volun­te­ers. http://keionline.org/ec-mysql

Ora­cle has NOT pro­mi­sed (as far as I know and cer­tainly not in a legally bin­ding manner):

- To keep (all of) MySQL under an open source license
– Not to add clo­sed source parts, modu­les or requi­red tools.
– To not raise MySQL license or MySQL sup­port pri­ces
– To rele­ase new MySQL ver­si­ons in a regu­lar and timely man­ner.
– To con­ti­nue with dual licen­sing and always pro­vide affor­da­ble com­mer­cial licen­ses to MySQL to those who needs them (to sto­rage ven­dors and appli­ca­tion ven­dors) or pro­vide MySQL under a more per­mis­sive license
– To deve­lop MySQL as an Open Source pro­ject
– To acti­vely work with the com­mu­nity
– Apply sub­mit­ted pat­ches in a timely man­ner
– To not dis­cri­mi­nate pat­ches that make MySQL com­pete more with Ora­cles other pro­ducts
– To ensure that MySQL is impro­ved also in man­ners that make it com­pete even more with Ora­cles’ main offering.

From loo­king at how Ora­cle han­dled the InnoDB acqui­si­tion, I don’t have high hopes that Ora­cle will do the above right if not requi­red to do so:

For InnoDB:
– Bug fixes where done (but this was done under a con­trac­tual obli­ga­tion)
– New fea­tu­res, like com­pres­sion that was announ­ced before acqui­si­tion, took 3 years to imple­ment
– No time tables or insight into deve­lop­ment
– The com­mu­nity where not allowed to par­ti­ci­pate in deve­lop­ment
– Pat­ches from users (like Goo­gle) that would have incre­a­sed per­for­mance was not implemented/released until after Ora­cle announ­ced it was acqui­ring Sun.
– Ora­cle star­ted wor­king on InnoDB+, a bet­ter ‘clo­sed source’ ver­sion of InnoDB
– In the end Sun had to fork InnoDB, just to be able to improve performance.

It’s true that deve­lop­ment did con­ti­nue, but this was more to be able to con­ti­nue using InnoDB as a pres­sure on MySQL Ab.

Note that Oracle’s deve­lop­ment on the Linux ker­nel is not com­pa­ra­ble with MySQL, because:
– Ora­cle is using Linux as the main plat­form for their pri­mary data­base pro­duct (and thus a bet­ter Linux makes Ora­cles plat­form bet­ter)
– The GPL code in the ker­nel is not affec­ting what is run­ning on top on it (because of an excep­tion in Linux).

Because we don’t have access to a data­base of MySQL cus­to­mers and users the only way we can get the word out is to use the MySQL and Open Source com­mu­nity. I would never have resor­ted to this if Ora­cle would not have bro­ken the esta­blished rules in anti­com­pe­ti­tive mer­ger cases and try to influ­ence the EC by acti­vely mobi­li­sing the customers.

This is very cri­ti­cal to this AS SOON AS POSSIBLE as EC, depen­ding on what Ora­cle is doing, needs to make a deci­sion either on Mon­day (2009–12-14) or within two weeks. Beca­sue of the strict dea­dline, every email counts!

What I want to ask you to do (until 2009-12-19):

- Forward this email to everyone that you know is using MySQL or Open Source/free soft­ware and to all email list where you know there are peo­ple pre­sent that use or care about MySQL and open source (ple­ase check first that this email hasn’t been sent there before)
– Alter­na­ti­vely send emails with infor­ma­tion about this and tell them to read http://monty-says.blogspot.com/2009/12/help-saving-mysql.html
– Add links on your web site to http://monty-says.blogspot.com/2009/12/help-saving-mysql.html with the text “We are using MySQL, help save it”, for the dura­tion of the next two week.
– Blog about this (feel free to include this text or just link to my blog)
– Call by phone (don’t con­tact by email, this is urgent) your boss or VP and ask him to read this email and send a let­ter to the EC com­mis­sion ASAP!
– If you don’t have anyone to con­tact above, send an email to the EC!

As we want the EC to get a cor­rect pic­ture of the situ­a­tion, we want you to first fill in the upper part and then cho­ose one of the pro­po­sed texts belowe that best mat­ches your view of the situ­a­tion. Feel free to sup­ply your own text and addi­ti­o­nal infor­ma­tion if you think this will help the EC to reach a bet­ter unders­tan­ding of how MySQL is used.

Send this to: comp-merger-registry@ec.europa.eu

If you have extra time to help, fill in the fol­lowing, if not, just skip to the main text.

Name:
Title:
Com­pany:
Size of com­pany:
How many MySQL ins­tal­la­ti­ons:
Total data sto­red in MySQL (megabyte):
For what type of appli­ca­ti­ons is MySQL used:
Should this email be kept con­fi­den­tial by EC: Yes/No

Copy or use one of the below texts as a base for your answer:

a)
I don’t trust that Ora­cle will take good care of MySQL and MySQL should be dives­ted to another com­pany or foun­da­tion that have everything to gain by deve­lo­ping and pro­mo­ting MySQL. One should also in the future be able to com­bine MySQL with clo­sed source appli­ca­tion (either by excep­ti­ons, a more per­mis­sive license or be able to dual license MySQL under favou­ra­ble terms)

b)

I think that Ora­cle could be a good steward of MySQL, but I would need EC to have legally bin­ding gua­ran­tees from Ora­cle that:
– All of MySQL will con­ti­nue to be fully Open Source/free soft­ware in the future (no clo­sed source modu­les)
– That deve­lop­ment will be done in com­mu­nity fri­en­dly way.
– The manual should be rele­a­sed under a per­mis­sive license (so that one can fork it, the same way one can fork the ser­ver)
– That MySQL should be rele­a­sed under a more per­mis­sive license to ensure that forks can truly com­pete with Ora­cle if Ora­cle is not a good steward after all.
Alter­na­ti­vely:
– One should be able to always buy low pri­ced com­mer­cial licen­ses for MySQL.

There should also be mecha­nism so that if Ora­cle is not doing what is expec­ted of it, forks should be able to com­pete with Oracle

c)
I trust Ora­cle and I sug­gest that EC will approve the deal unconditionally.

——————–

Let us prove to Ora­cle and EC that the Open Source com­mu­nity is a true force and we take good care of our citi­zens and we pre­fer to work with com­pa­nies that does the same!

The future of MySQL is in your hands!

Thanks for the help!
Michael Wide­nius
Cre­a­tor of MySQL


por: Henrique (LonelySpooky)

em: LonelySpooky's Blog

terça-feira, 24 de novembro de 2009

[EVENTO] 1º Encontro de Tecnologia Simonsen - ETS


As Inscrições estão no ar.
Faça sua Inscrição - Vagas Limitadas

Acesse a Secretaria On-line e clique no banner do evento
Alunos Simonsen >> http://www.simonsen.br/secretariaonline/index.php
Acesse o site do evento e tenha todas as informações >> http://www.simonsen.br/ets/


Caso tenha alguma dúvida mande sua mensagem pelo formulário de contato do site.

1º Encontro de Tecnologia. Inscreva-se

O encontro organizado por alunos do 5º periodo do curso de TPD das Faculdades Integradas Simonsen, será realizado nos dias 26 e 27 de novembro e tem por objetivo promover uma troca de experiências e conhecimento através de Palestras contando com a participação de diversos players da cadeia de Tecnologia da Informação.

O 1º Encontro de Tecnologia Simonsen conta com a presença de palestrantes renomados como Horst Kuchelmeister - Engenheiro Senior da Tim Brasil, Gustavo Guanabara - Diretor Geral do site Guanabara.info, Victor Batista - Diretor de Serviços de TI da Clavis Segurança da Informação , Rubens Andrade - Secretário de Ciência e Tecnologia da cidade do Rio de Janeiro, dentre outros.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

[EVENTO] 1º Encontro de Tecnologia Simonsen - Últimos ajustes II

Cronograma Novo

26/11/2009

08:30 às 10:00
AUDITÓRIO
Horst Kuchelmeister
Engenheiro Senior da Tim Brasil.
Tema: Smart Phones
Tradução simultânea por Joyce Serpa
Duração: 1h e 30m

10:15 às 11:15
AUDITÓRIO
Cayo Medeiros
Tema: WordPress, muito além de um gerenciador de blogs
Duração: 1h

18:00 ás 19:00
AUDITÓRIO
Rubens Andrade
Secretário de Ciência e Tecnologia da cidade do Rio de Janeiro
Tema: Rio, Ciência e Tecnologia.
Duração: 1h

19:15 às 20:15
AUDITÓRIO
Bruno Dulcetti
Tema: A Sopa de Letras e Números dos Padrões Web
Duração: 1h

20:30 às 21:30
AUDITÓRIO
Luiz Cruz
Tema: Empreendedorismo em TI
Duração: 1h



27/11/2009

09:00 às 10:00
AUDITÓRIO
Victor Santos
Diretor de Serviços de TI (ITIL) da Clavis Segurança da Informação
Tema: Segurança da Informação
Duração: 1h

10:15 às 11:15
AUDITÓRIO
Leonardo Cioti
Tema: Empreendedorismo em TI
Duração: 1h

19:15 às 20:15
AUDITÓRIO
Gustavo Guanabara
Professor Universitário e Diretor Geral do Site Guanabara.info
Tema: Computação Gráfica
Duração: 1h

20:30 às 21:30
AUDITÓRIO
Sylvestre Mergulhão e Henrique Andrade
Palestra Teatral - Por que eu sou fanático por testes e você é um bundão.
Duração: 1h

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

[EVENTO] 1º Encontro de Tecnologia Simonsen - Últimos ajustes



Data 26/11/09

08:30 às 10:00
AUDITÓRIO
Horst Kuchelmeister
Engenheiro Senior da Tim Brasil.
Tema: Smart Phones
Tradução simultânea por Joyce Serpa
Duração: 1h e 30m

10:15 às 11:15
AUDITÓRIO
Cayo Medeiros
Tema - WordPress, muito além de um gerenciador de blogs
Duração: 1h

19:15 às 20:15
AUDITÓRIO

20:30 às 21:30
AUDITÓRIO
Luiz Cruz
Tema: Empreendedorismo em TI
Duração: 1h



Data 27/11/09

09:00 às 10:00
AUDITÓRIO
Victor Santos
Diretor de Serviços de TI (ITIL) da Clavis Segurança da Informação
Tema: Segurança da Informação
Duração: 1h

10:15 às 11:15
AUDITÓRIO
Leonardo Cioti
Tema: Empreendedorismo em TI
Duração: 1h

19:15 às 20:15
AUDITÓRIO
Gustavo Guanabara
Professor Universitário e Diretor Geral do Site Guanabara.info
Tema: Computação Gráfica
Duração: 1h

20:30 às 21:30
AUDITÓRIO
Sylvestre Mergulhao e Henrique Andrade
Palestra Teatral - Por que eu sou fanático por testes e você é um bundão.
Duração: 1h

terça-feira, 17 de novembro de 2009

[EVENTO] Encontro de Tecnologia Simonsen



26/11/09


08:30 às 10:00


AUDITÓRIO

Horst Kuchelmeister

Engenheiro Senior da Tim Brasil.

Tema: Smart Phones

Tradução simultânea por Joyce Serpa

Duração: 1h e 30m


26/11/09


10:15 às 11:15


AUDITÓRIO

Cayo Medeiros

Tema - WordPress

Duração: 1h


26/11/09


19:15 às 20:15


AUDITÓRIO

Empresa Quadro-chave

Tema: Animação com Software Livre

TALVEZ

Duração: 1h


26/11/09


20:30 às 21:30


AUDITÓRIO

Luiz Cruz

Tema: Empreendedorismo em TI

TALVEZ

Duração: 1h



27/11/09



09:00 às 10:00



AUDITÓRIO

Victor Batista
Diretor de Serviços de TI da Clavis Segurança da Informação

Tema: Segurança da Informação

Duração: 1h



27/11/09



10:15 às 11:15



AUDITÓRIO

Guilherme Aguiar

Planejamento, Desenvolvimento e Gerência de Projetos Web do Ministério da Cultura.

Tema: Wordpress

Duração: 1h



27/11/09



19:15 às 20:15

AUDITÓRIO

Gustavo Guanabara

Professor Universitário e Diretor Geral do Site Guanabara.info

Tema: Computação Gráfica

Duração: 1h


27/11/09


20:30 às 21:30


AUDITÓRIO

Sylvestre Mergulhao e Henrique Andrade

Palestra Teatral - Por que eu sou fanático por testes e você é um bundão.

Duração: 1h

sábado, 14 de novembro de 2009

[NOTÍCIA] 1º Encontro de Tecnologia Simonsen


A confirmar dias 26 e 27 de Novembro de 2009

Em breve horário e nome dos palestrantes e das palestras

[HARDWARE] Monitores

CRT é um acrónimo para a expressão inglesa cathode ray tube, que em português significa "tubo de raios catódicos", também conhecido como Cinescópio. Foi inventado por Karl Ferdinand Braun, e é o ecrã usado em muitos monitores de PC e Televisores (cinescópios de deflexão eletromagnética) e Osciloscópios (cinescópios de deflexão eletrostática).

Foi em um tubo de raios catódicos que, em 1897, o físico J. J. Thomson verificou a existência do elétron.

Aviso: Os CRTs de televisores trabalham com tensões muito altas, na ordem dos 10.000 a 40.000 Volts dependendo do seu tamanho. Estas tensões podem continuar acumuladas durante vários dias mesmo após o aparelho ter sido desligado da corrente eléctrica, pois as paredes de vidro do CRT formam um capacitor. Por isso, nunca tente mexer nos mesmos a menos que tenha conhecimentos técnicos para tal.

Os CRT's surgiram em 1924, quando foi inventada a televisão. A primeira televisão era de madeira. Em 1950 a televisão se popularizou e em 2008 os CRT's já perdiam força porque no mercado continuavam se popularizando cada vez mais os LCD's e Telas de Plasma.

Os principais elementos de um cinescópio são um painel de vidro (tela), uma máscara de sombra, um cone de vidro, um canhão eletrônico, um cone metálico interno (Inercone) e uma bobina de deflexão.

A camada fotossensível (camada de fósforo) é aplicada na parte interna da tela usando um processo fotoquímico. O primeiro passo é um pré-tratamento da superfície seguido do recobrimento com uma suspensão de fósforo verde. Depois de seca, a máscara é inserida na tela e o conjunto é exposto a uma luz UV que reage na parte exposta pelos furos da máscara. Os raios de luz são emitidos de tal forma que as linhas de fósforo estejam no mesmo ponto que o feixe de elétrons colidirá. Então a máscara é removida da tela e a área não exposta à luz é lavada. Nas áreas que foi exposta, o fósforo adere à tela como resultado de uma reação fotossensível. Na seqüência as outras duas cores (azul e vermelho) seguem no mesmo processo.

Para os tubos que utilizam a tecnologia do matrix, linhas de grafite são colocadas entre as linhas de fósforos antes do processo Fowcoating em um processo similar chamado de processo Matrix.

Toda a região da tela é coberta posteriormente com uma camada de alumínio, este alumínio conduz os elétrons e também reflete a luz emitida para trás (efeito espelho).

Em paralelo ao Processamento de Telas, a parte interna do cone de vidro foi recoberta com uma camada de material condutivo. Uma pasta de esmalte é aplicada à borda do cone que após o forno se funde com a tela. A partir do forno o cone e a combinação tela/máscara, incluindo o cone metálico que serve de blindagem magnética, são fundidos no esmalte em alta temperatura.

O canhão eletrônico é inserido e selado no pescoço do cone, o vácuo é formado no interior do bulbo, o qual em seguida é fechado. Neste momento o bulbo se torna um tubo. Um “getter” (elemento químico com alta capacidade de combinação com gases não inertes), montado em uma fase anterior do processo, é evaporado por meio de aquecimento com alta freqüência, para que se combine com possíveis átomos residuais de gases, através de reações químicas.

A parte externa do cone do cinescópio é recoberta por uma camada condutiva e uma cinta metálica é colocada na borda do painel através de um processo que envolve o aquecimento da cinta, a sua aplicação à borda do painel, seu resfriamento e conseqüente contração, para proteger o tubo contra possíveis riscos de implosão.

No Processo de Matching, uma bobina defletora é “casada” ao pescoço do cinescópio até o cone. Após várias medições e operações de acabamento, a defletora é ajustada para garantir uma distribuição uniforme e equalizada, por toda a tela, dos feixes eletrônicos vermelho, verde e azul. Esta operação é chamada “matching”. A defletora é então fixada na sua posição definitiva.

Alguns cinescópios, dependendo do modelo e fabricante podem possuir metais nobres e até valiosos, tal como paládio, platina e eventualmente ouro, além de terras raras, algumas delas inclusive com pequeno potencial radioativo. Miligramas ou mesmo gramas desses metais e terras raras podem ser encontrados nos catodos e nas grades de difusão ou máscaras.

Dependendo de estudos de viabilidade, a extração desses metais pode compensar o custo de tratamento do descarte e da reciclagem, como já ocorre com os chips recobertos por filmes de ouro e entre outros, determinados conectores e soquetes utilizados em placas de circuito impresso, contatos de relés e etc.

Existem ainda alguns tubos de altíssima luminosidade que podem, apesar de não ser absolutamente certo isso - por estar entre os segredos de fabricação-, (vide referências) conter diminutas quantidades de material radioativo pesado, tal como o tório, utilizado no endurecimento e aumento de resistência ao calor dos componentes do canhão eletrônico, tornando o negócio de reciclagem no mínimo desaconselhável para leigos e no pior caso exigindo inclusive disposição especial em áreas especialmente preparadas para recebê-los, para evitar graves contaminações, possivelmente cumulativas, no meio ambiente.

Lembrando que, ainda hoje no Brasil e em outros países, dispositivos mais simples tecnologicamente mas submetidos a grande calor durante a operação, tal como “camisas de lampião”, são banhadas em material radioativo para permitir às cerdas das mesmas atingirem altas temperaturas sem romperem-se facilmente - o mesmo principio de tratamento por tório, costumava ser utilizado nos catodos de alguns cinescópios.

Já os televisores mais antigos, aqueles com válvulas termiônicas, contém com certeza algumas delas com catodos compostos com terras raras, porém em diminutas quantidades. Apesar de encontrarem-se diversas dessas válvulas eletrônicas com informações relativas ao uso de terras raras radioativas nos catodos, não se sabe exatamente se possuem ou não radioatividade inerente suficiente para causar danos, porém nos recicladores o contato constante com esses materiais poderá ser mais um fator para que não sejam reciclados em ambientes não controlados.

O que torna o assunto da reciclagem de componentes eletrônicos e válvulas termiônicas algo um tanto delicado e que exigiria sempre a presença de um técnico especializado para avaliar o impacto ao meio ambiente e para realizar o descarte seguro desses componentes.

Aparelhos antigos, podem conter maior quantidade desses componentes.

Seria irresponsável dizer às pessoas que simplesmente os atirem ao lixo, mas também é irresponsável dizer que leigos poderiam cuidar desse assunto – mesmo descartando-os em Ecopontos como os muitos mantidos pela prefeitura em grandes cidades de São Paulo.

Assim, as empresas que os fabricaram e na ausência destas os governos e os órgãos relacionados as comissões de meio ambiente e nucleares, devem providenciar os meios para que a sociedade descarte esses aparelhos entre outros, para evitar transtornos a população. Maiores detalhes sobre cada cinescópio ou válvula podem ser obtidos nos manuais dos fabricantes de tubos de raios catódicos e pela web afora.

Existe um excelente estudo sobre o tema de descarte de cinescópios de televisores e monitores de computadores cujo sumário segue abaixo para quem desejar aprofundar-se no tema:

Título: Radioactivity in cathode ray tubes

Autoria: KIRNER Nancy P. ; TROYER G. L. ; JONES R. A. ; GRAY E. W. ;

Um monitor de cristal líquido (em inglês liquid crystal display; LCD) é um monitor muito leve e fino, sem partes móveis. Consiste de um líquido polarizador da luz, eletricamente controlado, que se encontra comprimido dentro de celas entre duas lâminas transparentes polarizadoras. Os eixos polarizadores das duas lâminas estão alinhados perpendicularmente entre si. Cada cela é provida de contatos eléctricos que permitem que um campo elétrico possa ser aplicado ao líquido no interior.

A tecnologia LCD já é utilizada há algum tempo. Como exemplo, podemos citar consoles portáteis que começaram no Gameboy (Nintendo), relógios digitais, calculadoras, mp4,mp3, DVDs portáteis, câmeras digitais e celulares.

Vantagens
  1. Os monitores do tipo LCD possuem uma tela que é realmente plana, eliminando as distorções de imagem dos monitores do tipo tubo de raios catódicos, ou CRT (que têm suas telas curvas);
  2. Cansam menos a vista;
  3. Consomem menos energia;
  4. Emitem pouquíssima radiação nociva (alguns modelos já não emitem radiação nociva alguma);
  5. Modelos recentes têm correções de distorções, deixando as imagens em estado harmônico e mais real, mesmo em movimento.
Desvantagens
  1. Têm o ângulo limitado a uma visão perpendicular (90º), sofrendo com o problema do black light e white light, embora isso aconteça apenas em modelos mais antigos. Atualmente, a maioria dos monitores de LCD chegam a 178º de visão.
  2. A persistência do estado lógico dos pixels LCD pode levar a efeitos de "arrasto" na exibição de imagens com movimento.
  3. A resolução não é constante, com perdas de 50% em imagens em movimento.
  4. Não tem boa definição com fontes SDTV: TV aberta e cabo analogica, DVD, SKY SD (480i).
em: Wikipedia - LCD / CRT

[INFORMAÇÃO] TI Verde - MESMO?


Está na moda a cons­ci­ên­cia eco­ló­gica e, seguindo essa ten­dên­cia, as pala­vras “boas” da vez são (anote aí): verde, eco­no­mia, pla­neta, árvore e doa­ção. Se você usar qual­quer uma des­sas pala­vras nos seus pro­je­tos – não importa quão imbe­cil ele seja – as pes­soas serão obri­ga­das a aplaudi-lo, afi­nal, o que vale é a inten­ção! Ou será que não vale?

Embora eu seja a favor das ati­tu­des eco­ló­gi­cas, o mais cho­cante na nova gera­ção de abra­ça­do­res de árvo­res e natu­re­bas é a quan­ti­dade de desin­for­ma­ção que essa gente tem. Árvo­res são boas, mas a babo­seira ambi­en­ta­lista de agora trata cada árvore como uma limpa e efi­ci­ente fábrica de ar puro… é como se cada semente fosse um tan­que de oxi­gê­nio em poten­cial, espe­rando para cres­cer e jogar na atmos­fera o pre­ci­oso O2.

Será que nin­guém se lem­bra das aulas de bio­lo­gia no ensino médio? Árvo­res são cri­a­tu­ras vivas como qual­quer ani­mal e res­pi­ram, assim como você e eu, oxi­gê­nio, exa­lando CO2. Acon­tece que no pro­cesso de fotos­sín­tese as plan­tas usam a luz como cata­li­sa­dor num pro­cesso fotoquí­mico que envolve CO2. Logo, de noite, quando não há luz do sol para fotos­sin­te­ti­zar a gli­cose, as plan­tas com­pe­tem conosco pelo mesmo O2. Para resu­mir, a planta faz duas coi­sas: res­pira como nós e faz fotos­sín­tese (observe bem que o ponto chave aqui é o pre­fixo FOTO), por­tanto, sem luz, sem pro­du­ção de oxi­gê­nio e a planta con­ti­nua, assim como nós, res­pi­rando O2.

Há tam­bém alguns estu­dos “geni­ais” que suge­rem replan­tar flo­res­tas com euca­lipto por­que cres­cem rápido e são gran­des. Ima­gine replan­tar a flo­resta amazô­nica com euca­lip­tos? Melhor seria adi­ci­o­nar mais uma pala­vra ao dici­o­ná­rio des­sas pes­soas: bio­di­ver­si­dade.

Entre­tanto, estou diva­gando. Se por um lado não acre­dito nessa ladai­nha de plante um “tan­que de oxi­gê­nio”, acre­dito que árvo­res aju­dam na regu­la­ção da tem­pe­ra­tura, na manu­ten­ção da fer­ti­li­dade do solo, no embe­le­za­mento das cida­des e na sus­ten­ta­ção de um bioma vari­ado, por isso achei legal falar sobre o pro­jeto eco4planet.

O eco4planet é um bus­ca­dor (que, na ver­dade usa o Goo­gle cus­to­mi­zado), mas que pro­mete plan­tar uma árvore a cada 50.000 bus­cas rea­li­za­das pelo seu sis­tema. A tela, como não pode­ria dei­xar de ser é preta, para “eco­no­mi­zar ener­gia”. Sim! O eco4planet é feito por bra­si­lei­ros e, a prin­cí­pio, vai plan­tar as árvo­res em Ribei­rão Preto (SP). Se os caras forem inte­li­gen­tes, tem tudo para dar certo (só espero que não saiam plan­tando euca­lip­tos a torto e a direito).

Se for fazer uma busca pela net, dê uma chance aos caras. Cada árvore plan­tada faz pose para uma foto que você pode ver aqui.

P. S.: Ape­nas mais duas obser­va­ções (já que estou com a mão na massa):

1. Se você usa moni­to­res LCD pode usar uma tela mais negra que a alma do Steve Bal­mer e não vai fazer eco­no­mia nenhuma. Isso de telas escu­ras eco­no­mi­za­rem ener­gia só fun­ci­ona nos velhos CRT1.
2. Quer ver me dei­xar puto e vir falar das “emis­sões de car­bono”, “car­bono zero”… Car­bono é um ele­mento quí­mico da tabela perió­dica que é SÓLIDO à tem­pe­ra­tura ambi­ente (gra­fite, dia­mante…). Car­bono e dió­xido de car­bono são duas coi­sas muito diferentes.

1. http://googleblog.blogspot.com/2007/08/is-black-new-green.html

por: Henrique
em: LONELY SPOOKY'S

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

[TECNOLOGIA] Criação e oportunidade



CP Labs realiza à intermediação entre os usuários avançados de internet com as empresas e administrações públicas para geração de soluções inovadoras. Nosso sonho é despertar a energia criativa, os conhecimentos técnicos e a inovação na rede para projetos concretos, modificando á dinâmica das corporações em seus produtos e serviços, melhorando a maneira de viver e trabalhar da sociedade.

sábado, 27 de junho de 2009

[EVENTO] Inscrições, palestrantes e professores


Fábio Henrique
Aprovado em 6º lugar no cuncurso para Perito da Policia Civil do Estado do Rio de Janeiro (Aguardando posse); Especialista em Segurança de Redes e Sistema Operacional Linux; Criador do Firewall Transparente conhecido como StealthWall; Palestrante do 5º FISL (Forum Internacional de Software Livre); Participou da equipe de desenvolvimento do projeto Honeypot.br; Ministrou treinamentos em várias organizaçoes, tais como: PMERJ (Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro) e ESG (Escola Superior de Guerra); Gerente de Redes e Docente das Faculdades Integradas Simonsen; Idealizador/Organizador e Palestrante do 1º e 2º Linux Install Fest; Como Hobby estuda assuntos relacionado a Física de Particulas e Quântica, Inteligencia Artificial e Redes Neurais - Tópico de sua palestra e tese de sua futura conclusão de Mestrado.
Pagina: www.fabiohenrique.com.br
MINI-CURSO: Shell Script para Iniciantes
PALESTRANDO... Utilização de Redes Neurais para Combate a Spam


Marcos Pitanga
Profissional com mais de 22 anos na área de TI/TCOM,pós graduado em Segurança da Informação. Possui diversas certificações dentre elas Cisco CCNA/CCNP/CCIA, Juniper JNCIA/JNCIS/JNCIP em Firewall, Enterprise Routing, VPN SSL, Wan Acceleration, Expand ECCA, Radware LinkProof e AppDirector, LPIC 1 e LPIC 2, Red Hat RHCE, Certified Ethical Hacker, dentre muitas outras. É autor de 3 livros sendo dois relacionados a Computação em Cluster. Atualmente é engenheiro senior da Sun Microsystems em projetos relacionados a Clusters de Alto Desempenho, Grid Computing e Cloud Computing.
PALESTRANDO... Como projetar um supercomputador de 200 Teraflops com Linux e Solaris


Gustavo Guanabara
Especialista em Ciência da Computação, professor de universidades e cursos profissionalizantes no Rio de Janeiro. Uma de suas principais atividades é lecionar em disciplinas nas áreas de engenharia web e interação humano-computador. Também é diretor do site Guanabara.info e apresentador do Guanacast, um podcast sobre tecnologia. Para acessar seu site, basta digitar: www.guanabara.info
PALESTRANDO... WEB 2.0


Ricardo Graça
Especialista em Ilustração, Animação, Computação Gráfica, Edição de Vídeo, Composição de imagens, Design e Fotografia. Já fez diversas Ilustrações criadas no GIMP e no INKSCAPE (que podem ser vistos em www.ricolandia.com ), foi editor de diversos comerciais de TV (incluindo campanha rotavirus 2004 para CNN América Latina, Comercial das lojas Gripon com Vesgo e Silvio do "Pânico na TV"), foi editor de vídeos Institucionais(incluindo Banco do Brasil, CRC, Shell, GSK) e foi produtor, roteirista e diretor de dois curtas metragens criados com Blender, Inkscape e Gimp. Tem prática nas seguintes ferramentas livres: Cinelerra; Gimp; Inkscape; Blender; Kino; Komposer; Synfig Animation Studio; Pencil; Wings 3D; Audacity; Avid Emux; OpenOffice.org; Scribus.
MINI-CURSO: GIMP básico


Carlos Eduardo "Cadunico"
Atua 18 anos como designer e a dois anos utiliza somente software livre em suas criações. Membro dos grupos LINUERJ, Debian RJ, SLRJ. Já ministrou palestras sobre recursos de softwares gráficos nas seguintes universidades: UERJ, UFF, UNIFOA, PUC-Rio. Criador das seguintes logomarcas, GULA ( Grupo de Usuários Linux Alcoolatras), SLRJ ( Grupo Software Livre do RJ), TERABEAUTS (Distribuição Linux que cabe num disquete), VR Livre (Distribuição Linux voltada a educação criada em Volta Redonda), H4CK'N RIO (Evento linux). Idealizador do primeiro evento de computação gráfica com software livre do estado do Rio de Janeiro o GNUGRAF - http://gnugraf.org
MINI-CURSO: Inkscape
PALESTRANDO... Conhecendo o Inkscape


Leandro Martelli
Analista de sistemas do Observatório Nacional há 8 anos, tendo sido responsável pela adoção de diversas tecnologias livres e estimulado o uso de Linux dentro da instituição. Atualmente, atua como co-gerente e responsável técnico dos projetos DES-Brazil e SDSS3-BPG.
PALESTRANDO... O uso de tecnologias livres para Processamento de Dados em Astronomia.


Henrique "LonelySpooky" Junior Uma viagem pela evolução dos desktops Linux com ênfase na usabilidade.
Membro ativo do Projeto Fedora, trabalha como embaixador, tradutor, empacotador e diretor-gereal da Revista Fedora Brasil. Graduando em engenharia química ajuda no desenvolvimento de softwares de modelagem molecular e é escritor profissional.
PALESTRANDO... Evolução do Software Livre: estará o Linux realmente pronto para o usuário doméstico?


Robson Barroso
Robson Barroso, graduado Mestre em Ciência da Computação e Especialista em análise de sistema na Universidade de La Habana em Cuba, especialista em Docência Superior na UNIGRANRIO, Especialista de Internet na UFRJ-NCE, Tecnologia em Processamento de Dados nas Faculdades Integradas Simonsen, e Matemática Aplicada á Informática na UNIVERCIDADE, programador em JAVA, ASP, PHP. Diretor Administrativo e Tecnologia da Informação da Empresa World Clear Assessoria, Coordenador e Apoio ao Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro.
MINI-CURSO: JAVA para Iniciantes


Roberto Messias
Graduado em T.I. . Desenvolvedor Web utilizando PHP, POSTGRESQL e demais ferramentas para WEB 2.0 desde 2007. Professor Universitário das Faculdades Integradas Simonsen.
MINI-CURSO: PostgreSql para Iniciantes


Vinicius Vinhas
Profissional na área de desenvolvimento de software para web e designer gráfico desde 2004. Ministra cursos de extensão e treinamentos em diversas empresas de desenvolvimento no RJ.
MINI-CURSO: Criação de Sites padrão WEB 2.0


Thiago Ferreira
Profissional atuante na área de desenvolvimento de sistemas Web e criação de hotsites para diversos seguimentos. Participante da equipe de desenvolvimento da FIS desde 2007, utilizando ferramentas que compôe o padrão WEB 2.0. Thiago tem 21 anos idade e é graduado em T.I. desde 2007/2.
MINI-CURSO: PHP para Iniciantes



EVENTO LIF 3

quinta-feira, 25 de junho de 2009

quarta-feira, 24 de junho de 2009

[EVENTO] 3ª Linux Install Fest - Rio de Janeiro - RJ


No dia 5 de julho de 2009 acontecerá a 3ª linux Install Fest - RJ. Será um dia inteiro de palestras, míni-cursos e é claro instalações de Linux nas maquinas de quem desejar. O objetivo principal do evento é reunir profissionais e estudantes nas áreas de Software Livre e principalmente do Sistema Operacional Linux para divulgar os recentes avanços nestas respectivas áreas, popularizando e incentivando os usuários de micros a usarem o Linux.

Esperamos criar um ambiente saudável e estimulante, que permita o contato entre pesquisadores e estudantes. O público-alvo é composto por estudantes, professores, pesquisadores, profissionais da área de TI de todo o Brasil.

O evento não tem fins lucrativos, tudo será revertido para o orfanato Obra de Assistência a Infância de Bangu.

Presenças confirmadas: Marcos Pitanga, Gustavo Guanabara, Kauê Linden(Hostnet), Ricardo Graça, Carlos Eduardo "Cadunico", Felipe Cardozo(MXmasters), Leandro Martelli , Henrique "LonelySpooky", Fabio Henrique Guimarães, entre outros.

Local: Faculdades Integradas Simonsen
Rua Ibitiúva, 151 - Padre Miguel - RJ

Acontecerá Sorteios de Brindes e Bolsas de estudo em Cursos.

Inscreva-se Já
http://www.simonsen.br/lif
Entrada: 1kg de alimento não perecível.

Reunião com os grupos de apoio da LIF3
NÃO ESQUEÇAM QUE NA SEXTA-FEIRA TEM REUNIÃO
9:50H (2ª ANDAR..PERGUNTE A SALA AO INSPETOR)

segunda-feira, 22 de junho de 2009

[INFORMAÇÃO] Inteligência americana e código aberto


FBI: uma das organizações da Inteligência Americana que irá adotar Lucene/Solr

A conselheira tecnológica de agências de inteligência americanas como a CIA e o FBI decidiu abraçar o código aberto.

A In-Q-Tel, empresa independente que identifica soluções para dar apoio a missões da CIA, FBI e outras 16 organizações que compõem a inteligência nacional dos Estados Unidos, anunciou investimentos na Lucid Imagination.

A companhia dá suporte aos sistemas de busca de código aberto Apache Lucene e Solr, que ganharam destaque no segmento de buscas para empresas nos últimos três anos, com mais de 9 mil downloads diários e mais de 4 mil grandes organizações da indústria como usuárias.

Em comunicado, a In-Q-Tel afirma que escolheu a Lucid por ver grande potencial na adoção do Lucene/Solr nos seus parceiros do governo. O investimento vai acelerar a implementação dos programas por essas entidades, já que muitas delas já estão utilizando a tecnologia e só precisavam de suporte e serviços mais confiáveis e previsíveis para aplicá-la a outras áreas.

Para investir em uma empresa, a In-Q-Tel, criada pela CIA em 1999, se baseia em três critérios de avaliação: excelência técnica, exame da situação financeira e administrativa e a qualidade da solução diante dos problemas de implementação na ampla rede de organizações membro da Inteligência Americana.


domingo, 21 de junho de 2009

[HARDWARE] Pen drive criptografado


Use recurso de criptografia para manter em sigilo dados confidenciais armazenados no seu drive USB

Crédito: Andrzej Skwarczyński

Se a idéia é levar dados pessoais no pen drive, criptografia é fundamental. Há várias opções para isso. Uma delas é o ótimo TrueCrypt, que cria uma área criptografada no disco. O programa permite definir duas senhas: uma que libera tudo e outra que desembaralha apenas um conjunto definido de arquivos. A segunda senha é usada no caso de algum agressor obrigar o dono do pen drive a decifrar conteúdo. O ponto fraco do TrueCrypt é que ele exige uma conta de administrador para rodar, algo difícil em cibercafés, por exemplo. Um programa que não tem essa exigência é o Robons Mini Drive. Ele permite criar uma partição escondida e criptografada com algoritmo AES de 256 bits. O software ainda pode travar o conteúdo com uma combinação de teclas e usar o pen drive como requisito para entrar no sistema.

por: Eric Costa

sábado, 20 de junho de 2009

[WEB] Wikipedia agora com vídeo!


Os internautas, dentro de dois ou três meses, poderão utilizar o botão “Add Media” para incluir vídeos aos artigos da Wikipedia, segundo informação do Technology Review, do Massachusetts Institute of Technology.

Ao clicar no novo botão, uma interface se abrirá, permitindo a busca de mídias audiovisuais que estejam livres de direitos. A partir disso, o editor da enciclopédia virtual escolhe o vídeo que pensa ser adequado e insere dentro do artigo.

A princípio, não são muitas empresas e sites que participarão do conceito de “vídeos livres”. Estima-se, que, além do um milhão de vídeos da Wikimedia Commons, o Internet Archive disponibilizará um catálogo de 200 mil títulos. Metavid, que tem o slogan de “Open Vídeo Archive of the US Congress”, completa o time de provedores de mídias.

Materiais históricos, discursos políticos, documentários e entrevistas icônicas deverão fazer parte da primeira parte do acervo. O intuito dos desenvolvedores da Wikipedia é aumentar o número de colaborações, incentivando os realizadores de vídeo a terem seus trabalhos publicados no formato aberto, em um lugar de grande visibilidade.

por: Guilherme Pavarin, de INFO Online

[HARDWARE] Problema de travamento? Teste os drivers!


Se seu PC começou a travar, o problema pode estar em um driver de dispositivo; descubra qual deles

Se seu micro trava com frequência ou só dá a partida no modo de segurança do Windows, é possível que o problema seja causado por algum driver de dispositivo com falhas ou incompatibilidades. Uma maneira de pesquisar a causa do problema é acionar o Verificador de Drivers. Clique em Iniciar > Executar (Início e escreva Executar no campo de pesquisa, no caso do Vista). Na caixa Executar, digite verifier e clique em OK. Na janela do Gerenciador de Verificação, mantenha assinalada a opção Criar Configurações Padrão e clique em Avançar. Na etapa seguinte, você tem quatro opções para selecionar os drivers a ser verificados. Se você não souber qual delas usar, marque a terceira, Selecionar Automaticamente Todos os Drivers. Clique no botão Concluir e, em seguida, reinicie o computador.

Depois disso, se houver um travamento do sistema causado por um driver, o Verificador deverá mostrar uma mensagem de erro apontando o driver responsável pela falha. Depois que o problema for resolvido, convém desligar o Verificador, já que ele pode tornar determinadas operações mais lentas no computador. Para isso, rode novamente o Gerenciador de Verificação. Na primeira tela, assinale a opção Excluir Configurações Existentes e clique no botão Concluir.


>> Troque dicas e informações e esclareça dúvidas sobre Windows XP no Fórum INFO.

>> Troque dicas e informações e esclareça dúvidas sobre Windows Vista no Fórum INFO.

por:
Maurício Grego

sexta-feira, 19 de junho de 2009

[INFORMAÇÃO] 3ª Linux Install Fest


Dia 05 de julho!


Mini cursos

Vinicius Vinhas: Web 2.0.

Ricardo Graça: Gimp.

Fábio Henrique Guimarães: Shell Script.

Thiago Cavalcanti: Php básico.

Carlos Eduardo Cadunico”: Inkscape.

Roberto Amorim: Postgresql básico.

Robson Barroso: Java básico.



Palestras

Henrique: Evolução do Software Livre - estará o Linux realmente pronto para o usuário doméstico?

Gustavo Guanabara: Web 2.0.

Carlos EduardoCadunico”: Conhecendo o Inkscape.

Marcos Pitanga: Como projetar um supercomputador de 200 Teraflops com Linux e Solaris.

Fábio Henrique Guimarães: Utilização de Redes Neurais para Combate a Spam.

Leandro Martelli: O uso de tecnologias livres para Processamento de Dados em Astronomia.

Maiores informações em breve...

[INFORMAÇÃO] Promoção de aniversário


O HTMLStaff é um dos melhores sites sobre padrões e tecnologia Web, com vários tutoriais super profissionais está fazendo aniversário e está sorteando dois livros de altíssima qualidade:

  • jQuery: A Biblioteca do Programador JavaScript, de Maurício Samy Silva
  • PHP: Programação com Orientação a Objetos, de Pablo Dall’Oglio

Para concorrer, basta se cadastrar no HTMLStaff e acessar a página da promoção.

por: Gustavo Guanabara

em: Guanabara.info

[HARDWARE] Chips menores (Toshiba)


A maior fabricante de chips do Japão planeja iniciar a produção em massa de chips de sistemas com apenas 28 nanômetros.

A produção deve começar a partir do próximo ano fiscal e trata-se de uma estratégia para enfrentar empresas como Intel que é referência na área de chips. A Toshiba também confirmou que fará parte de um grupo de empresas liderado pela IBM para o desenvolvimento do tal chip.

A fabricante japonesa já havia anunciado que planejava começar a produção em massa de chips de 32 nanômetros do ano que vem. Esse passo, no entanto, deve ser pulado.

O anúncio do desenvolvimento de chips de 28 nanômetros acontece poucos dias depois da Toshiba confirmar que pretende reduzir a capacidade de produção em algumas linhas em 30% até o primeiro trimestre do ano que vem. Os custos pela reestruturação relacionados ao fechamento de linhas ficará em torno de 207 milhões de dólares.

Toda a indústria de chips está sofrendo com as previsões de queda nas vendas. A Associação da Indústria de Semicondutores dos Estados Unidos (SIA) projeta queda de 21,3% para 2009.

por: Mariana Amaro, de INFO Online

[SOFTWARE] Google Desktop


Google Desktop (acima): aplicativo tem sistema avançado de busca de arquivos no HD

A maioria dos internautas conhece o Google por causa do seu sistema de buscas – ou, talvez, por causa do Gmail e do Orkut. Mas a empresa não oferece apenas esses dois serviços.

No portfólio do Google, o internauta encontra bons aplicativos para baixar e instalar no Windows. O interessante é que a empresa tem programas de tudo que é tipo. Tem software para desenhos em 3D, mensageiro instantâneo, plug-in para browser, entre outros.

O conjunto de aplicativo com a grife "Google" é bem estável e não traz problemas para o PC. A boa notícia é que, como os demais serviços do Google, eles também não custam um tostão sequer.

Conheça um pouco mais (e baixe) os programas do Google logo abaixo:

Picasa 3: programa essencial para quem tem muitas fotos e imagens espalhadas no computador. A afirmação não é à toa. O Picasa varre HD, pen drives e CDs em busca de imagens. Quando as encontra, permite ao internauta organizá-las em pastas. O aplicativo tem mais dois recursos interessantes: um que permite publicar as fotos em serviços na web e outro para corrigir olhos vermelhos de fotos.

Google Toolbar 6: com essa barra instalada no PC, o internauta ganha um campo no navegador para fazer buscas sem precisar entrar na página do Google. É um atalho útil para quem pesquisa bastante na web. Nessa versão, o aplicativo incorpora também atalhos para o Gmail e Orkut, outros serviços do Google. Tem ainda uma inovação: no Windows XP, adiciona um botão na barra de ferramentas para pesquisas no realizar buscas no HD do PC.

Google Earth 5: programa para visualizar, por meio de imagens capturadas por satélites, qualquer canto do planeta Terra. Dá para ver o deserto do Saara, a Torre Eiffel, o Coliseu, as muralhas da China, as geleiras dos dois pólos. Nas cidades mais famosas do mundo, como Londres e Tóquio, o internauta consegue navegar pelas ruas. Nessa edição, o programa também apresenta o local exato de naufrágios e o relevo do fundo do mar.

Google Chrome: o navegador do Google tem como principal característica a velocidade. Ele tem esse desempenho graças a um eficiente motor, que carrega com bastante velocidade as páginas e os scripts da web. Dono de uma interface bastante limpa (tem apenas a barra de endereço e dois botões), ele apresenta recurso de navegação por abas e um painel com as nove páginas mais acessadas. A única deficiência do software é a ausência de suporte a complementos.

Google Gears: esse aplicativo faz parte da geração de novos plug-ins para web. Ele funciona nos navegadores Firefox, Internet Explorer e Chrome. Basicamente, o Gears usa funcionalidades das tecnologias JavaScript e AJAX para permitir que os internautas rodem aplicativos web 2.0. Com esse plug-in instalado no Windows, por exemplo, o internauta instala recursos para acessar serviços como o Gmail e Google Docs mesmo sem conexão web.

Google Sketchup 6: programa para criação de modelos em terceira dimensão (3D). Com ele, é possível desenhar casas, pessoas, carros, ruas e qualquer outra forma em 3D. O programa não é profissional, mas oferece recursos avançados para o internauta que deseja se aventurar por essa área. Com uma interface caprichada, o Google SketchUp 6 tem uma espécie de instrutor que auxilia o internauta durante a construção de um modelo tridimensional.

Google Talk: comunicador instantâneo que reúne, numa tela, os contatos do Gmail. O aplicativo tem uma aparência bem simples, contudo, tem todos os recursos dos tradicionais programas do gênero, tais como troca de arquivos e chamadas por voz. Um dos recursos bacanas do software é o de videoconferência.

Google Desktop: tem arquivos espalhado em tudo quanto é canto do PC? Se sim, esse programa do Google é indispensável no seu Windows. Dono de um recurso de busca avançado, ele encontra com facilidade documentos, fotos, músicas, URLe, entre outros arquivos, perdidos pelas milhares de pastas do PC. Além de embutir um buscador poderoso no PC, o Google Desktop adiciona uma barra adicional no Windows e uma ferramenta que permite a instalação de widgets (como relógios e leitores de RSS).

por: Fabiano Candido, de INFO Online

O Curso

O Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas das Faculdades Integradas Simonsen - FIS, é um curso presencial, reconhecido pela Portaria 1.003 de 12.07.1993 (D.O.U. 13.07.1993), com carga horária mínima de 2.334 horas, que poderão ser cumpridas em no mínimo 03 anos (06 semestres letivos) e foi recentemente aditado pela Portaria nº 281, 29 de setembro de 2009, publicada no D.O.U nº 188, de 01 de outubro de 2009, Seção 1, página 19.
Os graduados nos Cursos Superiores de Tecnologia denominam-se tecnólogos, são profissionais de nível superior com formação para a produção, inovação científico-tecnológica e para a gestão de processos de produção de bens e serviços.

Faculdades Integradas Simonsen